domingo, 31 de agosto de 2008

revisão

líria porto

eu me livre da inútil exposição
cale a minha boca baixe o meu facho
resguarde-me dos arroubos verborrágicos
afaste-me dos risinhos e ironias
tenha um dia a sensatez
dos sábios

*

sábado, 30 de agosto de 2008

terrena

líria porto

qual fosse um pião
girava em seu eixo
o que não a impedia de rodar
bailar
valsar
ao redor de um tal sol

*

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

a esperar o sol

líria porto

nu'a madrugada
morrer durante o sono
:
carcaça no horizonte
alma alvoroçada

*

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

abertura

líria porto

o sol
abril
:
lua-de-mel
é no lençol
do céu

*

quarta-feira, 27 de agosto de 2008

igual o arco-íris

líria porto

melhor assim
sem anunciar
sem se despedir
ao perder ardor
arthur sumir

*

terça-feira, 26 de agosto de 2008

assim somos

líria porto

nossa humanidade consiste
em nos sentirmos fortes como o tronco das árvores
capazes de resistir às intempéries
e estarmos tão vulneráveis quanto a folha
que a qualquer momento
                                         pode se desprender

*

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

destino

líria porto

a vida vai como o rio
míngua turva-se clareia
enche transborda faz curvas
tem leito margens peixes
areia pedras canoas
mas não tem retorno

*

domingo, 24 de agosto de 2008

coração

líria porto

acorrentou-me o insensato
trancou portas e janelas
e perdeu as chaves

*

sábado, 23 de agosto de 2008

madaminha

líria porto

corpo disforme
não pensa mais em amante novo
prefere o velho amor de guerra
meio cego meio coxo

*

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

palavras de quem não merece arrimo

líria porto

grato pelo verso que me deste
pelas letras que brincam entre meus dedos
pelo gesto que permite a um ateu
poema tão singelo quanto o gelo
derreter-se ao sol

grato pela musa que voa até mim
com asas de andorinha

*

na seca

líria porto

arvorar-se poeta é tão audacioso
quanto o ipê florir na serra
no mês de agosto

*

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

en_fim

líria porto

do mundo nada se leva
bem nos diziam os antigos
então brinquemos de roda
dancemos cantemos alto
ou fiquemos em silêncio
tais como velhos amigos
daqueles que nos entendem
a cada lágrima ou suspiro

(eu sinto a morte me chama
pois me espere  e sentada)

*

perplexidade

líria porto

noite de chuva tu trazes
mistérios da natureza
decifra comigo o enigma
que induz o bicho-homem
a destruir o planeta

ajuda-me a entender
se embrenhado em si mesmo
razão há para este homem
poluir o ar os rios
exterminar as florestas

diz-me noite friorenta
sem lua e sem estrelas
qual o motivo das guerras
pois isso não compreendo
o homem matar o homem

*

andrógino

líria porto

bonito bonita
o porte delgado
às vezes pavão
uma corça um cisne
outra vez um corcel
uma garça

(elegância não falta)

os olhos são tristes
a boca sorri
e um colibri
desprende-se d'alma

esbelta figura
presença agradável
isola-se afasta-se
bom cheiro bons modos
donzela não é
também não é macho

(um pouco de cada)

bonito bonita
é obra de arte
capricho de deus
em dia de graça

*

safo

líria porto

eu amo essa dona
testemunha ocular
ponto de apoio

eu amo essa dama
seu cheiro sua maciez

eu amo essa cama
lençóis fronhas travesseiros
colchas cobertas

eu amo essa fama
de sem-vergonha

*

terça-feira, 19 de agosto de 2008

sol_tei_rão

líria porto

enquanto a lua sobe
o sol desce
nunca ficam lado a lado
como namorados

a lua decidiu
vai casar com marte
e deixar ab_soluto
o rei dos astros

*

domingo, 17 de agosto de 2008

gramática

líria porto

muita vez meu verso some
foge daqui vai pra longe
eu acho  ele se esconde
na profundeza das regras

eu fico triste sem graça
perco o jeito de escrever
meu verso volta e me abraça
devolve-me a minha essência

*

sábado, 16 de agosto de 2008

de xale

líria porto

no inverno o sol alua
é de manhã e anoitece
a tristeza me visita
ponho mesa para duas
e espero a primavera

*

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

chaga

líria porto

a punhalada nas costas
provocou-lhe um furo fundo
a alma ficou exposta
quem olha sabe – ainda gosta
daquele filho da prússia

*

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

a fotografia

líria porto

quando alguém afirma
ela se foi para sempre
ele tira o retrato do bolso
pisca-lhe o olho esquerdo
dá-lhe um sorriso e murmura
:
todos eles são tolos
não sabem que estás aqui

ela ri
linda como antes

*

terça-feira, 5 de agosto de 2008

dio santo

líria porto

um moreno tão bonito
ao fitar o seu semblante
toda a pele se eriça
bate um frio baixo-ventre
logo acende um pisca-pisca
deus do céu o que são issos
premências?

*

domingo, 3 de agosto de 2008

ataranto

líria porto

num ponto o pranto
o sentimento
:
por_tanto eu aguento

*

sábado, 2 de agosto de 2008

(e)vidências

líria porto

algo me diz tem cuidado
sigo a intuição

o coração dispara
eu paro
ouço o alarme
são raios relâmpagos
trovões tempestade
o diabo

(o coração não me engana)

*

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

rameira

líria porto

havia um buraco
um homem a cavá-lo

um homem a cavalo
um pouso

(vi-me em cama de vime)

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog