quinta-feira, 28 de março de 2013

multiplicação

líria porto

vou semear umas chuvas
colher qualquer temporal
um vento novo umas nuvens
algum raio que te parta
já cansei de amar demais

*

fedamãe

líria porto

maricota não me beija
peço / imploro e ela nada
e também não me abraça
maricota desalmada
sabe o muito que lhe quero
só por isso me despreza
pelo tanto que rastejo
porque tenho
                     olhos d'água

*

quarta-feira, 27 de março de 2013

infinitamente

líria porto

um homem dentro do espelho carrega
um espelho dentro do homem carrega
um espelho dentro do espelho carrega
um homem dentro

*

desconfiômetro

líria porto

se não ajudas se atrapalhas
tirar o time de campo e bater
em retirada

*

náusea

líria porto

tudo embrulha tudo enrola
o mundo gira ao contrário
o povo vira uma trouxa
de roupa velha
e rasgada

*

aluada

líria porto

três arbustos na janela
só penso em viver nas nuvens
em me deixar levar

*

apagão

líria porto

não sonhei
nem amassei o lençol
despertar sem nenhum verso
é quase beirar
a morte

*

terça-feira, 26 de março de 2013

im_poluto

líria porto

ora vário ora uno
os ovários da puta tão iguais
o da madre

*

michê

líria porto

lambeu-a de ponta a ponta
fez de conta que ela era sua mulher
e quando lhe apresentou a conta
surpreendeu-se com a resposta
:
pago – pago sim
com o maior prazer

*

borrasca

líria porto

o tempo empurra a vida
como o vento empurra as nuvens
até que dias e noites se acumulem
e desabe a tempestade

*

segunda-feira, 25 de março de 2013

ilhós

líria porto

alguém me salve de mim e dos meus precipícios
jogue-me uma corda e eu me viro do avesso
ou me enforco

*

no fio da navalha

líria porto

não é teu não é meu
o mar – como o sol a lua os amantes – é de todos
é de ninguém

*

difíceis de guardar


líria porto

a ponte entre os olhos
suporta segredos de cimento
e pedra

*

domingo, 24 de março de 2013

leme

líria porto

anjinho pôs as asas de fora
corteia-as rente

ensinei-o de uma vez por todas
quem comanda nossos voos

*

como um rio

líria porto

trouxe comigo tão somente as cicatrizes
arrasto as rosas que encontro pelas margens
as suas pétalas forram o chão por onde piso

o que deixei para trás
ficou para trás

sigo

*

sábado, 23 de março de 2013

assobio

líria porto

gosto de estar sozinha
e sentir que o vento
faz-me companhia

*

arisca

líria porto

não te arrisques a persegui-la
a poesia foge de quem vai
com sede ao pote

*

sexta-feira, 22 de março de 2013

artesanal


líria porto

a realidade esmaga os sonhos
como os pés que pisoteiam as uvas

a nós nos resta coar o refugo
transformar o sumo em vinho
:
embebedarmo-nos
                                de vida

*

quinta-feira, 21 de março de 2013

quando o bicho pega

líria porto

precário para namoros
suficiente pros netos
vovô nos punha nas costas
para as cavalgavas
:
vovó virava uma arara

*

redenção

líria porto

muita vez nublada
em vésperas de chuva
amua-se num canto
a esperar que as lágrimas
lavem-lhe a tristeza
expurguem-lhe a culpa
por viver num mundo
cruel e injusto
e nada fazer

*

quarta-feira, 20 de março de 2013

nas últimas

líria porto

se eu cortar o pulso
não me estanque o verso
deixe que se esvaia
enquanto poça

*

ceia

líria porto

abres meu livro e me lês
e me comes da cabeça
aos versos

*

terça-feira, 19 de março de 2013

pirraça

líria porto

palavras me chamam
depois me beliscam
insistem insistem
resisto reviro-me
porém sem sossego
as mesmas palavras
me arrancam da cama
:
então lavo a cara
mas elas se escondem
só por vingança

*

segunda-feira, 18 de março de 2013

desamparo

líria porto

um tsunami arrombou-me os olhos
e não houve lençol que os secasse

*

estratégia

líria porto

fechou-se-me a porta mas não sou ingrata
deu-me sua nata e a mim me importa
que não se exponha em mar de piranha
faça o que gosta com quem quer que seja
em quatro paredes e em segurança

)eu fico de fora(

*

sábado, 16 de março de 2013

biruta

líria porto

como um barco a velas
o vento me sopra e eu sigo
sem rota

*

do abandono

líria porto

o que dói não é a partida
é a quebrada

*

movimento

líria porto

janelas olham janelas piscam
portas engolem e vomitam

*

sexta-feira, 15 de março de 2013

pé atrás

líria porto

não tens consciência
és 
    cru 
           pulo

*

primordial

líria porto

não conheço o líbano
tenho saudades do líbano
da infância de meu avô
das oliveiras
da alegria que havia
antes da grande guerra

não conheço o líbano
sofro pelo líbano – ali
à beira do conflito

*

quinta-feira, 14 de março de 2013

descuido

líria porto

firo-me com faca pontuda
e me acuso – burra – mais que as outras
esta dor é tua

e não me desculpo

*

familiar

líria porto

cedo ainda
o sol lambe os telhados
os pássaros se espreguiçam
menininho rola no berço e pede
mamadeira

mamãe leva-lhe o leite
retorna à cama cochila
(papai dorme de bruços)
o menino se aquieta
o sol não

logo logo
clarão na janela
menininho bem desperto
rio que transborda
sai do leito

*

quarta-feira, 13 de março de 2013

rol

líria porto

dentre as palavras mais tristes
órfão abandono desamparo

entre as mais alegres sabiá
gargalhada e cascata

*

fresta

líria porto

um murro trincou o escuro
apareceu uma luz

(nem tudo está perdido)

*

desterrados

líria porto

do segredo
ao degredo
o medo
do dedo-duro

*

hermético

líria porto

o inconsciente é um cofre

*

terça-feira, 12 de março de 2013

secura

líria porto

perdeste a alma rasguei o teu texto
não usei pretexto atirei-o à vala
poema que prezo além da palavra
precisa emoção – algo tão bonito
quanto o riso a lágrima
e o sentimento

*

letais

líria porto

ferroam-me os dedos
como abelhas africanas

para matar-lhes o veneno
escrevo-as descrevo-as subscrevo-as
submeto as palavras
                                 ao ferrão

*

segunda-feira, 11 de março de 2013

invasivo

líria porto

uns aqui outros lá no canto
o vento atira ao chão portarretratos
arranha as lembranças

*

sem miolo

líria porto

leonarda cava sepulturas
retira caveiras coloca-as em sacolas
depois espalha os ossos por ruas
e avenidas

cidade grande – fábrica
de malucos

*

dessaber

líria porto

eu não sei o que é trapiche
e eles riem de mim

se engoliram o dicionário
não vão ter grande trabalho
para descobrir

palavra

*

o poeta

líria porto

entre a sanidade e a loucura
com a firmeza de quem anda
na corda bamba

*

origem

líria porto

embora em condições adversas
grãos de areia não renegam
o deserto

*

autômatos

líria porto

meio bichos meio máquinas
repetimos comportamentos e sequer nos perguntamos
se isto é natural ou comodismo

*

impróprio

líria porto

espanca a mulher
mas fica desgovernado
se um puto
toca de leve uma unha
do seu amor-próprio

*

interrogatório

líria porto

tais como vampiros
muitas perguntas sugam
a vitalidade

*

domingo, 10 de março de 2013

o gato

líria porto

a qualquer hora
joga-se em minha cama
toca-me as pernas
e vai subindo a pata

assanha-se entre as colchas
desfia minha roupa
esfrega-se em meu corpo
arranha-me o pescoço
ronrona em meus ouvidos
lambe-me a boca
e dorme

(eu subo pelas paredes
igual uma lagartixa)

*

perda

líria porto

chorava por dentro
um quase choro invisível
de olho a chuviscar
a dilacerar a carne
a instalar-se nas tripas
e chorava a dor dos sonhos
do desmoronamento

*

vingança

líria porto

tudo que te desejo
um domingão do faustão
um sabadão sertanejo

*

talho

líria porto

a verdade é magra desnutrida
a mentira é gorda e rola solta

*

à morte

líria porto

o corte a corte
e ninguém suporta
tanto rodeio

onde está o bisturi?

*

rimas pobres

líria porto

belos
singelos
elos
os
teus
olhos
paralelos

*

manipulação

líria porto

às vezes a prosa era rasa e confusa
tudo de propósito

simulava loucura e até o analista
deitava no divã

*

sábado, 9 de março de 2013

prudência

líria porto

quando o sonho é pesadelo
melhor mesmo é despertar
ir caminhar no sereno
antes que a realidade
já não consiga
detê-lo

*

cúbico

líria porto

ardida profunda
a dor vem do chão
finca-se no orifício

quem mandou comer pimenta?

*

sininho

líria porto

não me pontuem não me vistam com maiúsculas
sou canela pimenta do reino – algo que se polvilha
igual purpurina

*

sexta-feira, 8 de março de 2013

haicai

líria porto

o canto do galo
atravessa a madrugada
magias da aurora

*

fel na boca

líria porto

ave – maricota
que olhares são esses
quanto entusiasmo
nossos dias são todos
e não tão somente
este 08 de março

*

quinta-feira, 7 de março de 2013

amor

líria porto

contumaz
melhor

*

o menino

líria porto

agarra um brinquedo outro e outro
o ursinho a bola um carrinho o macaco
e exclama com a força dos proprietários
é meu é meu
é meu

aos dois anos ninguém sabe
isso aprendemos depois
não somos donos de nada
nem de nós nem do destino

*

cambiante

líria porto

mudo o outro fala
falo o homem se excita
ainda não sei se sou verbo
ou se vou substantivo

posso ser duplo ou triplo

*

quarta-feira, 6 de março de 2013

reino animal

líria porto

depois de muito viver e observar as turbas
entre bípedes e quadrúpedes aprecio mais
os últimos

exceção para os de asas entre os quais
incluo-te

*

terça-feira, 5 de março de 2013

ranzinza

líria porto

madurou à força
e a doçura que teria
azedou de vez

*

presságios

líria porto

olhos de raio-x
era esse o seu sonho
mas podia virar pesadelo

*

enigma

líria porto

há algo de mistério num sorriso
numa risada não – esta é facilmente
decifrável

*

órbitas

líria porto

com sua fama de puta
vivia melhor que as outras
as mulherzinhas corretas
que só andavam nas retas
e jamais fariam curvas

*

lentes

líria porto

não se dá asas às cobras – a limitação dos olhos
permitiu-me enxergar almas

*

segunda-feira, 4 de março de 2013

viúva

líria porto

dele aguentou muita bucha
mas ele morreu primeiro
e ela pode saber
(antes tarde do que nunca)
que a vida é boa e é doce
como puxa-puxa

*

bifurcação

líria porto

eu decido
e o caminho que eu traçar
(mesmo que não te sirva)
é por onde vou

(aforismos me remetem a desaforos)

*

brevidade

líria porto

amor se cura com outro
mamãe falava eu não cria
arranjei um outro amor
até pulei de alegria

(mas durou pouco)

*

domingo, 3 de março de 2013

aurora

líria porto

o silêncio dessas horas
em que os sonhos ainda voam
ou caminham de pantufas

*

ingenuidade

líria porto

inventas tantas tramoias
e sempre que acontece
eu caio nas armadilhas
e mais pareço uma ilha
cercada de incertezas
a imaginar saídas
que se derretem
igual gelo

*

sábado, 2 de março de 2013

fobia

líria porto

olho o buraco o buraco me olha
se não me afasto o buraco
me engole

*

alforria

líria porto

qual um pássaro solitário
a voar em pleno espaço
assim se sente no mundo
a desfazer-se dos laços
a soltar pena por pena
em pouco livra a carcaça
e prossegue só espírito

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog