sábado, 31 de agosto de 2013

prenha

líria porto

a vida pelos confins
quem vai aparar meu menino
amparar os seus dias?

o moço
entrou e saiu quanto quis
semeou-se em meu ventre

(caduquice minha
perdidas regras)

*

comemoração

líria porto

a infância – um espectro
apaga as velas dos bolos de aniversário
dos velhos

*

duas pontas

líria porto

aos oito anos ninguém anda devagar
só o tempo

(um martírio)

aos oitenta anos ninguém anda depressa
só o tempo

(um martírio)

*

sexta-feira, 30 de agosto de 2013

chaga

líria porto

pedras só ouvem desesperos
a dor tem que ser convincente

*

sacrifício

líria porto

embaralham informações
complicam a burocracia
e o homem que trabalha
anda em dia paga impostos
não tem ao final das contas
um retorno uma recompensa
por tentar viver em dia

(fazem o fácil
difícil)

*

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

esclera

líria porto

o branco dos olhos
raja-se de vermelho nas horas
de crepúsculo

*

marulho

líria porto

o sol ronca – arranca piscadelas das estrelas
a lua cochila nuvens dormem lá longe
só o mar sofre de insônia

*

volúpia

líria porto

deito meu sono de pedra
o sonho me leva do leito e me põe
à margem da correnteza

*

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

ditador

líria porto

o cão me estranha
seu ladrado de mil decibéis
faz-se ouvir da alemanha

*

serviçal

líria porto

meu ofício é escrever
transportar a carga das palavras
:
algumas são gramas – outras são
toneladas

*

no quarteirão

líria porto

o vento atropela as borboletas
um cão me olha faminto
e eu caminho às tontas
atrás de um prato
de comida

*

penitenciária de mulheres

líria porto

as barras de ferro
a pena

para não enlouquecer
tocava harpas nas grades da cela
dedilhava-as
(chegava a ouvir-lhes o som)
e cantava a liberdade

(cantava em silêncio)

*

sumo

líria porto

o cheiro da mangueira eleva-me às galhas da infância
e as folhas rosadas farfalham como as saias
da mocidade

*

discriminação

líria porto

trato vaga-lumes como mosquitos
ele se acendem me apagam
sou eu o inseto

*

no bolso

líria porto

uma conta redonda repleta de zeros
bem melhor que a fileira de noves
mais sincera

*

sem lugar

líria porto

gosto do meu canto
mas ando tão encantoada
que desafino

(nem a flauta me acompanha)

*

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

nihil

líria porto

no branco da folha
escrevo meu nome

pelo menos o autor
já nasceu

agora só falta
o poema

*

laços

líria porto

capaz de lustrar outra vez os meus olhos
devolver-me o sorriso espontâneo – o que mais me comove
é a infância

a alegria as descobertas
sua fala mesclada de sabedoria seu choro
e até mesmo suas manhas
suas birras

avós e netos
as pontas da vida
uma ciranda

*

shopping

líria porto

frustrações às sacolas
e efeitos hipnóticos

*

in_completude

líria porto

meia-lua
qual a hóstia repartida
onde o cristo só mostrasse
o lado humano

*

céu da boca

líria porto

esbarrar nas palavras sentir-lhes o aroma
o farfalhar das letras

os beijos da língua

*

domingo, 25 de agosto de 2013

capim

líria porto

tenro macio fresquinho
ainda pouco nutritivo
mas para o gado que pasta
um manjar divino

*

sábado, 24 de agosto de 2013

daninhas

líria porto

pragas espalham raízes
para exterminá-las não nos bastam
só enxadas e ancinhos

*

pássaro

líria porto

o poeta sobrevoa as palavras
escolhe as que lhe pareçam maduras saborosas
bica as duras quebra-lhes a casca e espalha as sementes
com a sua assinatura

(livros são florestas)

*

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

selvagem

líria porto

no sonho eu te rodeio
domo-te monto o teu lombo
mordo-te a nuca
desmancho teus cabelos
e agarrada a teus pelos
cavalgo-te

acordada olho-te estremeço
e pasto

*

beata

líria porto

para
o domingo
uma alma
penada
num corpo
peludo

na falta
santinha
faria
novena
depois
da missa

consolava-a
o novo
vigário

*

rocha

líria porto

uma palavra entalada
no centro da minha goela
como a pedra que entravava
no caminho do poeta

*

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

destemor

líria porto

é preciso peito
para abrir-se às pérolas

*

misericórdia

líria porto

não fiz amor com anjo
mas acordei assim – cheia
de pena

*

amor

líria porto

nunca é demais
nem menos

sofrimento?
faz parte

amemo-nos

*

metáfora

líria porto

a dor pode ser
de amor saudade enfarto
estou farto dessa dor

*

transpiração

líria porto

sem nenhuma ideia nova
nenhum verso no gatilho
eu me ponho atrás da porta
ajoelho sobre o milho

sinto o sangue escorrer
e como alguém que menstrua
trago à luz – num parto a fórceps
um arremedo de lua

*

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

mistura

líria porto

do jeito que der
do jeito que flor

tornar-se mulher
doar-se ao amor

qual garfo ou colher
num prato de louça

juntar ao feijão
um tanto de arroz

*

terça-feira, 20 de agosto de 2013

tirana

líria porto

a morte busca os velhos
mas também leva os meninos
e isso ninguém explica
nem adivinha os critérios

*

à moda de papai-noel

líria porto

semear as moedas no canteiro do jardim
e colher muito dinheiro para comprar lembrancinhas
nós – as crianças esquecidas

*

osso

líria porto

lívre como o espírito
sem as grades da prisão
da pele

*

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

perfume

líria porto

viver assim
do jeito que flor
morrer assim
do jeito que forca
até o fim

*

barrigudo

líria porto

um pum indeciso
empacado no meio da pança e o compadre a dizer-nos
não sou o pai da criança

*

achados tão pedidos

líria porto

poemas poesia tosse alergia pó de estrelas morte
reclamar de quê se foi uma sorte encontrar vocês

*

domingo, 18 de agosto de 2013

cura

líria porto

o amor
doa em quem doendo
possa refletir-nos
:
é um santo remédio

*

quarta-feira, 14 de agosto de 2013

dia após dia

líria porto

tão reais os sonhos
a realidade é pesadelo
e os noticiários – filmes
de terror

*

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

prazer

líria porto

cravar os dentes na polpa – sentir a pera gemer
adocicar tua boca

*

adélia

líria porto

ela disse – não carece
ainda assim eu chorava
:
como olhar nos olhos dela
e não se sentir aluído

"comovido como o diabo"?

*

envelhecimento

líria porto

seus olhos se embaçam
não enxergam bordas
tudo se transforma
em manchas borrões
sorte é que a memória
tão prodigiosa
não se esquecerá
das cores
                dos tons

*

domingo, 11 de agosto de 2013

pecuária

líria porto

pegava o boi pelos bifes
mas demudou a dieta
trocou o boi pela vaca
bebeu leite igual bezerro

*

fora

líria porto

viver é estar no recinto
entre a porta de entrada
e a de saída

)ressinto muito(

*

sábado, 10 de agosto de 2013

ponto atrás

líria porto

eu me reviro do avesso
procuro nós não encontro

eu sou boa bordadeira
a_bordar só faz de conta

*

surto

líria porto

os olhos faíscam
:
não se cutuca a loucura
com vara curta

*

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

paupérrimo

líria porto

saraus me adoecem
adornos me roem
enfeites me enfeiam
e rimas me doem

*

deságua

líria porto

nem mar
nem rio
nem pasto

uma vaca
à míngua

*

pessoa

líria porto

acordava fernando
se não se acertava era álvaro
alberto ricardo bernardo
algum outro gênio

*

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

nós e laços

líria porto

o tempo
esse hiato
entre mim
e meus netos

o afeto
esse hífen
entre mim
e os meninos

o riso
esse verso
esse mito
essas rimas

*

ponto de vista

líria porto

teus olhos cor dos meus olhos
veem coisas que não vejo

*

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

variação

líria porto

mudar de casa de vida de ideia
e vez por outra mudar também
de nós mesmos

*

fatídico

líria porto

os dias passam como nuvens
acumulam-se sobre nossos ombros

a qualquer momento desaba
um temporal

*

terça-feira, 6 de agosto de 2013

versos

líria porto

confetes
pedacinhos de algum momento
fragmentos flocos de neve
breves instantes de vida e morte
efêmeros e eternos

*

domingo, 4 de agosto de 2013

miragem

líria porto

nós
um barquinho a remo
lá no outro extremo
a felicidade

ela nos acena
e é tanto o esforço
quando a alcançamos
já não temos fôlego

*

festa

líria porto

é chuva com sol
o casório da viúva
com o espanhol

*

sobrecarga

líria porto

o primeiro se amava
o segundo a amava
o terceiro não me amava
em compensação
o meu coração
foi dos três
ao mesmo tempo

*

sábado, 3 de agosto de 2013

para o brejo

líria porto

e assim sem fantasia
tu és sapo e eu
sou jia

*

rapunzel

líria porto

toda vez que o moço chega
jogo a ele as minhas tranças
pra que suba ao paraíso

ele não vem – treme e diz
que amor é abismo

*

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

legado

líria porto

não quero as paredes a louça a mobília
nem a porta de madeira maciça
quero o vão da janela

*

aos bonzinhos

líria porto

não sou como o sândalo
não perfumo o machado que me fere
faço escândalo e o machado
que se ferre

*

quinta-feira, 1 de agosto de 2013

solene

líria porto

bebedor de cachaça
acha-se um estranho no vinho
e pede uma branquinha

*

ir_real

líria porto

pratos panelas talheres
amontoam-se na pia
:
mocinha lixa as unhas
sonha com príncipes castelos fadas
e varinhas de condão

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog