segunda-feira, 31 de março de 2014

demora

líria porto

os olhos vazados da desesperança
fixos no vácuo à espera de nada
os velhos no asilo filhos que não chegam
nem a morte ao menos sente
piedade

*

a poesia

líria porto

monta-me às costas
dá-me chicotadas
mete-me as esporas
peço-lhe bebida
ela me oferece
sal fel e azeite

nada mais espero
ela então se despe
e nua em pelo
quer falar de sexo
depois vai embora
sequer um aceno

*

altos e baixos

líria porto

voar e voar
quase sem medida

depois desvoar
despencar no abismo

olhar para o alto
ver os outros pássaros

desejar que façam
voos magníficos

*

para o akira  yamasaki

ungidos

líria porto

eu não gosto delas
daquelas pessoas
que se julgam santas
e iluminadas
e boas de sela
porém não permitem
que ninguém as toque
nem se aproxime

(eu que sei de nada
fico muito puta
com as sabedorias)

*

domingo, 30 de março de 2014

fundação

líria porto

marias fazem acontecem
desfazem-se desacontecem
com a mesma maestria

marias são o alicerce

*

turbulências

líria porto

o pássaro de aço
nós - lombrigas
sardinhas
na lata
:
e tudo é passageiro

*

dos acontecimentos

líria porto

se o sumiço de der
e eu sucumir
diluída no azul
ninguém me procure
reapareço durante a maré

*

molambos

líria porto

a pressão externa
os nós dentro dela
a nos transformarem
em pasta disforme
sem vontade própria
e sem força ativa

*

quinta-feira, 27 de março de 2014

carvão temperado

líria porto

olhar fixo para o ovo
enquanto o relógio cozinha

(cinco tempos de fervura
mas pode ser mais um pouco)

*

a_corda

líria porto

alguém me salve de mim
dos vácuos abismos e confins
do existir

alguém me puxe pela mão
e aproveite pra cortar-me
as unhas

*

quarta-feira, 26 de março de 2014

frappé


líria porto

nem nas horas tristes
sentiu-se infeliz
nem na mais alegre
soube de felicidade
essa quimera

(viver é corriqueiro
um rato a roer o queijo
uma flor entreaberta
o gato a assustar passarinhos
a levar pedrada
de moleque)

*

filhos

líria porto

para conduzi-los
pulsos e mãos firmes
assim como os rios
levam suas águas
entre duas margens

(o coração transborde)

*

terça-feira, 25 de março de 2014

operação

líria porto

não precisou cirurgia
bastou-lhe passar debaixo do arco-íris
e mirna virou zé roberto

*

agonia

líria porto

a ideia
do viver contínuo
dia após dia
sem saber a hora
e como será
somente a certeza
dela não se foge
e pode doer
mais que o nascimento

*

segunda-feira, 24 de março de 2014

mar aberto

líria porto

omar  braços estendidos
parece abarcar o mundo

perto de omar
sou concha pequeninha

longe de omar
sou minas

*

reencontro

líria porto

nenhum de nós sabe
com toda certeza
quem parte quem fica
então meu amor
qualquer um que flor
espera o outro
no imenso jardim
das estrelas

*

domingo, 23 de março de 2014

pelada

líria porto

os dois lados da bola
o de dentro e o de fora
chocam-se na trave

*

os espelhos

líria porto

fiéis ao tempo
desmentem as fotografias
as lembranças
:
espreitam-nos

*

ocos

líria porto

em vão em vãos em desvãos
esperei de todo jeito e o verso
não veio

vim eu
como um vinho
que passou do ponto
um rio que secou
no leito

*

sexta-feira, 21 de março de 2014

dentada

líria porto

uma ova
disse adão a eva
quando foram expulsos
:
nem maçã nem regras
quero é te comer sem folha
de uva

*

o que me cabe

líria porto

quero – mas não quero tudo
boa parte deixo
para quem precisa

peço – mas não peço tudo
só o que não consigo
depois de muito esforço

dou – mas não doo tudo
o que necessito para o dia a dia
mantenho comigo

compro – mas não compro tudo
e raramente vendo
(questão de princípio)

pago – mas não pago juro
e recebo o troco
até o miúdo

*

tormenta

líria porto

uma nuvem prenha
quase nove meses
veio sem aviso
:
chuva de granizo

*

quarta-feira, 19 de março de 2014

neblina

líria porto

o sol cochila
atrás da cortina

*

trêmulos

líria porto

qual chama de vela diante da aragem
gota d'água prestes a se desprender
o resultado da biópsia

*

terça-feira, 18 de março de 2014

drama

líria porto

lua de cachorro doido
lobos e lobas no cio
grandes amores
paixões
e a gente a lamber embira

*

lúgubre

líria porto

o meu lado sombra
ilumine o verso avesso
a holofotes
:
das dobras de minas
ao ermo das cobras

*

revide

líria porto

pus minha cara a tapa
mas quem vier para tal
prepare-se
:
vai ter troco

*

segunda-feira, 17 de março de 2014

herege

líria porto

não caio nas malhas de deus
mais fácil me prenda o demônio
o céu não é lugar para gente
como eu

anjo?
não é santo
e nem faz milagre

*

domingo, 16 de março de 2014

desmatamento

líria porto

a cada poema que embolas
vai-se uma folha
uma lasca

ao fim do livro
uma árvore

(falácias de ecologia)

*

des_contaminação

líria porto

pangaré de troia
tinha vírus dentro
tudo violento

dar-lhe-ás purgante
livrarás a égua
de tal rocinante?

(privada contínua)

*

a tristeza

líria porto

precisamos
descuidar-nos dela
para que não cresça
nem se prolifere

*

sábado, 15 de março de 2014

vovô

líria porto

olhava-me nos olhos
ouvia as minhas razões
e não me julgava

(com ele aprendi a ser gente
pelo menos aprendi
a tentar)

*

com dúvida

líria porto

metade de mim sou eu
a outra metade também
razão para o desespero
:
o que espero de mim
senão esse ermo?

*

sexta-feira, 14 de março de 2014

pulso

líria porto

depois de domar o demônio
ordenei-lhe – agora vai

enfiou rabo entre as pernas
nem sequer olhou pra trás

*

quinta-feira, 13 de março de 2014

chifres

líria porto

nervo puído pavio curto
em pontas de vaca não se dá
murro

*

engula a bula

líria porto

melhor pressentir que remediar
a corda rebenta do lado dos frascos
e dos comprimidos

*

quarta-feira, 12 de março de 2014

matizes

líria porto

mesclar cores
olhares sentimentos
sustos
:
imaginar auroras
e crepúsculos

*

verbal

líria porto

eu outono
tu invernas
eles crescem
nós morremos
vós sabeis
quem nos enterra

*

ciladas

líria porto

nasci em casa pequena
cresci sob proteção – depois
eu caí no mundo
:
um tombo atrás do outro

*

terça-feira, 11 de março de 2014

a virgem

líria porto

nunca te li – em se tratando de homem
ainda sou analfabeta

*

flor

líria porto

nem tão ousada como a trepadeira
a saltar os muros fazer striptease
nem tão pudica como a violeta
a exalar perfume por baixo
dos panos

*

tempos

líria porto

não começou no começo
como todos os começos
começou no meio
eu já era velha

não terminou no final
como todos os términos
terminou no começo
no meio dele
e de mim

*

murros

líria porto

o mar bate na pedra
despedaça-lhe a alma

ela não sai do lugar

*

segunda-feira, 10 de março de 2014

líria porto

abrir as comportas da alma
chorar todas as tristezas

*

rio sem peixe

líria porto

chorar com a chuva – por ele por mim
pela saudade do que nunca houve
e dói mais ainda

*

a ver pavios

líria porto

eu ia rodar o mundo
com meu amor – de mãos dadas
demorei a ter coragem

acendo velas

*

sintonia

líria porto

mais que amor irmão amigo
e não é paixão nem nada
é reencontro

algo de outras vidas
que se foram
que virão

*

descartes

líria porto

trocamos confidências
fizemos planos
os anos se passaram
restaram-nos apenas
cartas amarelas
pétalas secas
sombras do que fomos
deslembranças

*

domingo, 9 de março de 2014

esconde-esconde

líria porto

mais preciso dela
mais ela se nega
presa ao céu da boca
grudada na goela

(salve-se a poesia
morra o poeta)

*

sexta-feira, 7 de março de 2014

o pires

líria porto

pedi esmolas - o que senti?
humilhação vergonha

quando perdi minha xícara
foi triste – mas tinha honra

*

o prato

líria porto

na posição de receber
de até mesmo transbordar
ao me sentir vazio
a ouvir barrigas que roncam
meu desejo é morrer
saltar no chão
virar caco
:
não sou dado às fomes

*

engrenagem

líria porto

alguns na linha de frente
outros nos bastidores
:
doutor gari cozinheira
professores operários
como água terra fogo
como oxigênio

*

quinta-feira, 6 de março de 2014

companhia

líria porto

no último furo
até a tristeza nos consola
estanca nosso choro
e nos carrega
no colo

*

entrega

líria porto

e por ser minha
dei-me e me dou
a quem quero
como quero

à morte
não evito falar disso
vou lhe dizer
sou tua – carrega-me
leva-me agora
ou volta outra hora

*

quarta-feira, 5 de março de 2014

faro

líria porto

palmo à frente do focinho
um quadro um vão
a parede

olhei com a nuca e achei
todas as pulgas

não me cocei pois recuso
tamanho luxo

*

doninha

líria porto

muita vez eu vejo coisas
mas noutras eu fico cega
procuro reviro tudo
e só consigo encontrar
minha estupidez

*

mistério

líria porto

apareceu um fantasma
subverteu meu lençol
à luz do dia

o sol ficou
mas à noite
ouvi arrulhos

*

vira-folhas

líria porto

disse-me com todas as letras
eu nunca vou te esquecer

nem passou uma semana
apresentou-me uma noiva

e quem virá amanhã?

*

das noites tumultuadas

líria porto

espreitava-me do alto
igual ave de rapina
quando viu que eu dormia
enfiou-me um bico rijo
perfurou minha barriga
e dali puxou-me as tripas

debati-me o quanto pude
e assim a esvair-me
mas sem forças pra gritar
acordei

ufa
que alívio

seria freud
ou jung?

*

terça-feira, 4 de março de 2014

pressentimento

líria porto

barulho
baque

prenúncio de algo grave
abalo na estrutura

não sei se parto se fico
se corro risco de fato

loucura
ou cisma?

*

segunda-feira, 3 de março de 2014

a floresta é uma árvore

líria porto

sua majestade
a rainha mariana
é imensa
e seu tronco
tem três metros
de diâmetro

o seu manto
verde rosa
é rodado
uma beleza
tão bonito
quanto o samba
da mangueira

nós
seus súditos
(malu francisco
e vovozinha)
não conseguimos
abraçar-lhe o tronco
(por enquanto)
:
um dia
seremos gigantescos
e não teremos medo
dos seus espinhos

*

auroras

líria porto

a infância não é um tempo perdido
é fonte inesgotável onde saciamos
nossas sedes nossas buscas
nossa curiosidade

*

alvorecer

líria porto

como saber das auroras
quem só olha os crepúsculos?

as moças tão belas
tão lépidas

*

domingo, 2 de março de 2014

rugas

líria porto

na precariedade das quase sete décadas
os dias –– um a um –– e por todos esses anos
tatuaram minha pele
:
tenho casca deferida

*

sábado, 1 de março de 2014

suspiro

líria porto

passa fel na nossa boca
e pede-nos palavras doces

quem sempre comeu melado
é que se lambuza

*

urgência

líria porto

não tem barriga me dói
se não achar u'a moita
um lugar mais reservado
faço ali mesmo
:
o verso não espera

*

bota fora

líria porto

saia blu-
sa saia calci-
nha saia cami-
seta saia su-
tiã saia
saia

saiam to-
dos que eu pre-
ciso da gave-
ta para a pa-
pelada

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog