quinta-feira, 31 de julho de 2014

coragem

líria porto

olhar no olho
estufar o peito
fazer o que deve
ser feito

(não tem barriga me dói)

*

quarta-feira, 30 de julho de 2014

matança

líria porto

bati à porta da guerra
quem está aí – o general
e quem morre lá fora
as crianças e as mulheres
as tuas?
não
as minhas estão num bunker

*

desperdício

líria porto

àquele que não houve
dedico-me e me entrego
:
por ser cego
mudo

*

sangue de barata

líria porto

assim me sinto
parte do que acumulas
e ninguém percebe como estou
nem porque fico

*

terça-feira, 29 de julho de 2014

pesadelo

líria porto

dentro do sono
vasculhei o escuro
encontrei um furo
pude espiar

do lado de lá
deitado no gelo
vi meu corpo rijo
com placa no dedo

*

hibernação

líria porto

no inverno
como fosse um urso
entro na caverna
e durmo

*

segunda-feira, 28 de julho de 2014

julgamento

líria porto

a consciência pesa
a sentença da omissão
à condenação perpétua
é o remorso

*

a roupa

líria porto

enviuvou-se –– que alívio
além da fortuna o luto
cai-lhe bem

*

às antigas

líria porto

há quem se delicie
eu não consigo
diante duma câmera
tocar-me as partes íntimas
enquanto numa tela
um outro se exibe
faz sexo sozinho

ao ato necessito
o toque o cheiro a pele
sussurros ao ouvido
igual arroz feijão
baião de dois

*

domingo, 27 de julho de 2014

recolhimento

líria porto

no frio eu me enrolo - quase hiberno
troco um pijama por outro e reforço
as cobertas

é tempo de ler e gestar
versos

*

o mapa

líria porto

o nariz pinga cachaça
a boca pede queijo

a cabeça pensa
cachaça queijo
e poema

*

extinção

mudou de casa de vida de ideia
e por pouco não muda
de si

*

insone

líria porto

a poesia me queima
as pestanas

*

medo

líria porto

tateio o muro - sigo até ali - rodo sobre os pés
é sempre mais seguro o mesmo caminho

não me aventuro
sou como o cego
um prisioneiro
do escuro

*

até breve

líria porto

o corpo se esvai
o amor permanece

habita nossos sonhos
e traz de volta
a presença

(dormir é um alento)

*

pinças

líria porto

o que será de um siri
na mão de um bicho-papão?

o siri é carnívoro
vai comer-lhe a mão?

ou o papão vai comer o siri
com limão?

*

dia e noite

líria porto

e roda e roda
num passo de dança
a terra em volta
do sol

*

im_pulso

líria porto

vez em quando mágica
um ou outro milagre
mas de tanta beleza
perdeu a conta

(nada como um dia
atrás das ostras)

*

galanteio

líria porto

passarinho me visita
vem alegre tão limpinho
o biquinho afiado
acho até que passarinho
é meu namorado

*

preconceito

líria porto

jamais comi abacate
na verdade nem provei
toda vez que vejo a fruta
penso em fralda de neném

*

devoto

líria porto

ele crê
faço milagre
mas santinha nunca fui
então diz –– adeus tristeza
dessa doença de morte
tu me livraste
:
desde então me acende vela

*

se

líria porto

fosse aranha tecia
redes para cochilo
não para pegar
mosquitos

*

bandeira branca amor

líria porto

incisivos permanentes
escondidos na gengiva
empurram dentes de leite
que bambeiam um a um
deixam a comissão de frente
e abrem alas pro sorriso
definitivo

*

idades

líria porto

tu outonas eu inverno
e a prima vera faz sucesso
com sua pele de pétala

*

sinal

líria porto

muitos sóis muitos sistemas
planetas sem conta
a nossa alma gêmea
existe num outro plano
e para encontrá-la precisamos
libertar-nos da angústia
e da matéria

*

na vassoura

líria porto

(quem quiser me acredite – quem não quiser
afronte-me afrodite-me queime-me
na fogueira)

*

oblíqua

líria porto

a luz transversa
como fosse faca
no corpo da árvore
dessa que atravessa
corta até a alma

*

recado

líria porto

quem vir
uma besourinha
de roupa vermelha
com bolinhas
favor lhe dizer
:
joaninha
vovó te manda
lembranças

*

a mágoa

líria porto

quando um furúnculo tem que vir a furo
ponho cataplasma

*

a comadre

líria porto

nós daqui ela de lá
achegamo-nos à cerca
a vaca vem

eu com os netos
ela com a bezerra

*

sábado, 26 de julho de 2014

sofrimentos

líria porto

entram pelos poros
como fossem agulhas
e atravessam os ossos

*

bigorna

líria porto

consigo dialoga
o monólogo é comigo
:
malho em ferro frio

*

escorregão

líria porto

despenco de mim
e a idade não me ajuda em nada
:
nado na lama

*

fora da pauta

líria porto

na batida
da batuta
do chicote
o poema
me obedece
porém chuta
esperneia
dá pinote

(poesia é música)

*

quinta-feira, 24 de julho de 2014

fatal

líria porto

morrer
é cair
de si
e não
conseguir
reerguer-se

*

dona natália wolfgang

líria porto

a velha alemã
(tailleur branco meias finas e mãos frias)
parteira de ricos
pegou-me pelos pés
(eu – a filha de um simples comerciante)
espalmou com força o meu traseiro
e me jogou no mundo
:
berrei como um bezerro

*

quarta-feira, 23 de julho de 2014

reboco

líria porto

dentro de nós
tantos nós
os que fomos
o que somos
os que quisemos ser
(e não conseguimos)
os que nem sabemos
porque ocultos
no inconsciente

fora de nós
tantas máscaras
tanta falta
tanta aparência

entre nós
tudo nada
(e vaza)

*

terça-feira, 22 de julho de 2014

rotação

líria porto

de girar na tua órbita
esperar inutilmente
tonteei
bati cabeça

recuperei o meu eixo
redescobri minha essência
vivo por conta própria

*

domingo, 20 de julho de 2014

debandada

líria porto

trouxemos duas
chegaram então mais duas
e o bando de seis
durou quase de vinte anos

uma voou do ninho
o macho se foi
outra voou
e mais outra
:
quando alcei voo
soçobrou uma andorinha
que logo se recobrou
e também voou

(voltei
para apagar
as luzes)

*





domínio

líria porto

o galo nem olha
pra galinha velha
cheia de pelancas
sobe-lhe nas ancas
mete-lhe a espora
depois faz o mesmo
com alguma franga
:
ele – o rei
do galinheiro

*

cadê-me?

líria porto

salvador daqui
salvador dali
salvador de todo lugar
estou mais perdida
que agulha na veia

*

transparências

líria porto

puta que se preze usa batom
perfume é ótimo complemento
de roupa nem precisa
ao que pese – um mistério
é sempre bom
:
um xale de tule

*



antecipação

líria porto

nasci antes desse tempo
jamais consegui fumar
como se adivinhasse
que me iriam proibir

*

sábado, 19 de julho de 2014

cri-cri

líria porto

meu
grilo
é
um
louva
deus
no
pátio
da
igreja
um
pensamento
na
cabeça
do
prego

*

sexta-feira, 18 de julho de 2014

inconsciente

líria porto

o que escondo do mundo
até mesmo de mim
não é bonito

(fosse não usava disfarce)

o que mostro ao mundo
não tira a máscara

*

bocas

líria porto

não só beijos palavras choro riso saliva
também gritos baba e ranger
de dentes

*

aventura

líria porto

um pisca alerta me diz
tem cuidado tem cuidado
eu fecho os olhos e atiro-me
um voo cego é o início
dos casos de arrepiar

*

educação

líria porto

caminhamos em corredores
(quanto mais largos melhor)
com paredes de vidro
a indicarem a fronteira
entre uns e outros

) para o corpo
liberdade tem limite (
não para a mente 

*

quinta-feira, 17 de julho de 2014

caranguejar

líria porto

mais fofa que a areia
tem olhos que saltam
da órbita

maria farinha
ela anda de banda
e eu de bonde
:
para onde?

*

quirera

líria porto

quieta e quentinha
deitada sobre dez ovos
dona galinha

dentro de uma semana
quando nascerem os pintinhos
ela sai do ninho

piu piu piu có có có
tomara que tudo aconteça
num dia de sol

(cuidado com as bicadas
dona galinha defende
a ninhada)

*

quarta-feira, 16 de julho de 2014

a visita

líria porto

só tive olhos pro amor
e sua pele era pálida
e sua chama era tênue

só tive olhos pro amor
e ele se foi - não viu o céu
nem o sol

*

terça-feira, 15 de julho de 2014

paranoia

líria porto

a lagartixa se espicha
vigia de um lado e de outro
permanece nesse estado

lagartixa é crocodilo?
lagartixa é jacaré?

(lagartixa tem razão
esse mundo é muito doido)

*

carência

líria porto

um lugar uma sopa
um pão
um agasalho ou coberta
uma companhia
qualquer coisa serve
numa noite fria

*

ensinamento

líria porto

sapo pai chama o menino
vem aqui meu tangirino
vou te ensinar umas coisas
logo logo terás pernas
mas perderás o teu rabo
co'as pernas virão os pulos
não podemos é ter tudo
e rabo algum fará falta

(a lagoa é boa)

*

segunda-feira, 14 de julho de 2014

agora

líria porto

aqui em casa faz frio
e debaixo da marquise
debaixo do viaduto
só de pensar
arrepio-me

então os dois cobertores
aqueles que eu nem uso
que guardo para as visitas
mando-os a quem precisa
que viver não é depois
e nem ausências
têm corpo

*

arapuca

líria porto

não quero não posso
não devo
algo me diz não o faça
mas um diabo me atenta
e sem que eu o perceba
outra vez caio
em teu laço

*

sábado, 12 de julho de 2014

no avesso do direito

líria porto

dos ateus dos comunistas
o céu é dos humanistas
que entre nós não há deuses

somos todos como os bichos
todos os seres – terra rio barro
pedra

*

sexta-feira, 11 de julho de 2014

teima

líria porto

o castigo humilha-o
mas ele finge

quem não é o maior
precisa parecer
invencível

*

esquadra

líria porto

olha bem o teu reflexo
e verás um barco a remo
transportar tua infância

daqui a algumas décadas
precisarás caravelas para carregar
lembranças

*

sossego

líria porto

todo o silêncio do mundo
lá no barulho do mato
a água que cai da bica
o vento entre os bambus

*

decadência

líria porto

desabo
sem chão e sem teto – sou eu
tudo o que me resto

*

o fantasma

líria porto

de dia distraio-me
à noite eu me banho
perfumo-me
abraço-me ao travesseiro
e te espero até quando
lençol branco?

*

quarta-feira, 9 de julho de 2014

a cisterna

líria porto

retirava a terra seca
depois as latas de barro
acertava bem as beiras
cavoucava até achar
cristalino lençol dágua

forrava então as paredes
fazia um muro no entorno
preparava um cavalete
corda balde manivela
e matava nossa sede

(crianças
fiquem
longe
do
poço)

viver é um ministério

*

terça-feira, 8 de julho de 2014

danada

líria porto

menina da pá virada
não obedece ninguém
só chega de madrugada
só anda com não sei quem
e quando alguém a interpela
menina apela e diz coisas
impróprias para as donzelas
para as moças casadoiras

(na
escola
menina
vai
bem)

*

domingo, 6 de julho de 2014

valente

líria porto

quando defendo meu gado
quando protejo meu filho
não tenho medo de nada
nem acho a vida difícil

*

provador

líria porto

passarinho demonstrou
figos roxos são tão doces
quanto as bocas das princesas

*

raios me partam

líria porto

eu bato a pedra na pedra
dou um soprinho na palha
e invento o incêndio

*

confronto

líria porto

o tom que usaste
não te devo explicação
sobre o piercing

ninguém me interpele
tatuagem é questão
de foro íntimo

não te atendo a ligação?

*


sábado, 5 de julho de 2014

cangalha

líria porto

alheios à nossa vontade
os acontecimentos
e seguimos qual gado
para o matadouro

pancada na nuca
a vida nos mostra
quem manda

*

abuso

líria porto

debaixo da cama no vaso do banheiro
ou no ralo da pia?

quem escondeu o meu son(h)o
não devia - eu tinha que lhe impor
um limite

*

quinta-feira, 3 de julho de 2014

pé atrás

líria porto

gato escaldado tem medo de água fria
gato escaldado tem medo de água
gato escaldado tem medo
gato escaldado
                          tem pavor

*

demais

líria porto

tudo que eu faça
tudo que eu possa

a unha quebrou no canto?

não é para tanto tu te recuperas
outros têm câncer

*

quarta-feira, 2 de julho de 2014

invisível

líria porto

sem precisar de estrada
chegar partir retornar
ser apenas pensamento
ideia
reflexão

*

terça-feira, 1 de julho de 2014

ioiô

líria porto

ele tem imã
eu sou sem-vergonha

ele me acena

vou com o rabinho
entre as pernas

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog