quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

polidez

líria porto

não cito ninguém
um pouco porque não devo
um pouco porque sei aquém

vivo à margem do trem que percorre
teus trilhos

*

terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

impunidade

líria porto

silêncio espanto
ossadas esquálidas
a lua inquieta e na moita
assassinos

*

livres

líria porto

mares rios 
ventania

o pensamento 
não para

ninguém acorrenta 
o tempo

nem algema 
a tempestade

*

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

desigual

líria porto

de cima para baixo a pressão
o mercado a exigir super-homens

de baixo para cima
o esforço o cansaço o suor
dos que tentam vencer obstáculos
por mérito próprio

(o tubarão e as sardinhas)

*

língua bipartida

líria porto

fala mal dos amigos
(dos bem sucedidos)
tentará atingi-los
colocá-los na mira
pois que seu fracasso
abrirá um caminho
à mediocridade
(esse ser rastejante)

*

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2016

negociatas

líria porto

queimaram a mata o pomar
e tudo virou pasto
:
não sobrou nenhuma árvore
nem sequer um pé de fruta

(o que dá lucro
é o gado)

*

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016

vai e vem

líria porto

ficam moças num piscar de olhos
depois amadurecem viram velhas
e de novo voltam a ser
meninas

(com pés de galinha)

*

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

minhoca

líria porto

perco a cabeça
e toda vez que ela some
arrasto-me sem rumo
daqui pr'ali pra lá
procuro-a
e que loucura
sem cabeça olhos boca nariz
lembrança nenhuma

(servir de isca)

*

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

preferências

líria porto

há quem goste de adjetivos
advérbios – eu não
deleitam-me os nomes
pronomes
(nada que os qualifique
ou retire seu valor)
e o movimento
dos verbos

(pão pão
queijo queijo)

*

dona dona

líria porto

não fez enxoval
nunca quis se casar
mas para fugir do pai
(ele era uma fera)
arrumou um consorte
:
deu azar

*

desejo

líria porto

procuras-me nos sonhos
e nós – antigos amantes
deitados em nossa cama
consolamo-nos

(cinzas
debaixo
de brasas)

*

domingo, 14 de fevereiro de 2016

filme caseiro

líria porto

vi-me pelo lado de fora
sem saber o que pensava
o que faria adiante

achei-me estranha
justo naquela hora
e com gente
tão íntima

*

resistência

líria porto

baratas são fortes
vivem (sempre viveram) e sobrevivem
a chineladas e aerosóis

(vovô usava
bomba de flit)

*

sábado, 13 de fevereiro de 2016

cunha

líria porto

não vale a comida que come
o chão que pisa nenhum tostão 
dólar furado ou risco n'água
:
não vale nádegas

*

amarras

líria porto

falo de nós
(a palavra é laço)
e eu temo
que tudo se desfaça

*

abalos

líria porto

só tomo remédio
em último caso
casei-me com médico
e ele revela
não sou paciente

(na hora da crise
o pau come)

*

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

haicai

líria porto

manancial de azul
os dias nessa secura
céus de curitiba

o poeta

líria porto

jogavam palavras fora
catava-as uma por uma

palavras sujas sem lume
limpava-as colava-as todas

e elas – mesmo encardidas
tornavam-se-lhe preciosas

(com elas fazia livros)

então voltava às esquinas
e pedia esmolas

*

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

o inseto

líria porto

dentro do mato
sacos e sacos de lixo
e quem fez isso – eu acho
posso chamá-lo
assassino

*

oriente

líria porto

múltiplas agulhas
sobre pontos de pressão
santa acupuntura

*

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

martelo

líria porto

natal reveillon recesso
o carnaval acabou
agora não tem desculpa
para prisão de ventre
usem supositório
:
fora cunha

*

terça-feira, 9 de fevereiro de 2016

a velha aborrecida

líria porto

qual a princesa da história
o sol me beija acordo
olho o relógio um susto
passei da hora

oh céus
não vi minha escola
o desfile

não vi a vida

*

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

haicai

líria porto

lá  dependurado
acordou dormiu de novo
o bicho-preguiça

*

o inconsciente

líria porto

no fundo do profundo
bem pra lá do cu –– o esconderijo
de mim

*

69

líria porto

o mundo de ponta cabeça
a vida de pernas pro ar –– e a gente
fazendo filho

*

engodo

líria porto

o amor diz que vem
nunca vem
e quando vem não te liga
para em qualquer esquina
fica a falar com alguém
ou então fala outra língua
alguma que não entendas
que te faz morrer à míngua

*

domingo, 7 de fevereiro de 2016

paciente

líria porto

fez e faz o que pode
para respeitar e ser respeitado
manter as contas pagas
deixar o nome limpo

(por um planeta melhor
cumpre a sua parte)

*

poesia

líria porto

nasci fora de época
fora de hora lugar
morri tanto e tantas vezes
agora é questão de tempo
a morte definitiva

(encontro-te na curva da rima)

*

assistência

líria porto

pertencida de alguém
tinha pele boa ria

beata era mau-humor
rugas cravos

espinhas

*

sábado, 6 de fevereiro de 2016

ao vigário

líria porto

não confesso porque não peco
e por não me arrepender
do que faço

(pecado é ser infeliz)

*

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2016

o sonho

líria porto

de repente vem à tona
o que estava submerso

(um verso de petróleo)

*

nua e crua

líria porto

para se vestir a mentira
com a pele da verdade
(a mentira é balofa
as verdades são murchas)
faz-se necessário
esticar a malha
(deformar o que é justo)

*

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

rebelde sem calças

líria porto

hoje sonhei com meu pai
só meu pai mandava em mim
então deserdei meu pai
quem manda em mim
é mim

(manda mas não obedeço)

*

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

lp para pl

líria porto

chove em curitiba
gosto do batuque na janela
gotas tamborilam sobre o vidro
fico a imaginar – também leminski
viu e ouviu serestas
como estas

*

surrado

líria porto

não só bate
apanha
meu coração toma é sova
e a cada coça que leva
sofre dobrado

(desamor é recíproco)

*

vampiro

líria porto

percorreste-me as veias
as artérias
conheceste-me os capilares
bebeste até o sangue das minhas regras
depois me abandonaste – morta-viva
fizeste-me à sombra
dos teus pés

(roubei-te os caninos)

*

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

a menina

líria porto

deu de pôr sangue pelo nariz
e da flor vermelha sobre as palavras do livro
jamais me esqueceria

*

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

leitura

líria porto

eloquente
silêncio
revela-me
:
não
voltarás

(no entanto
continuo
à espera)

*

curiosidade

líria porto

houve sexo
mas nunca falaram do assunto
nem se tornaram amantes

continuam tal qual eram
amigos e cúmplices

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog