sábado, 30 de abril de 2016

estrangulamento

líria porto

magistrados
deputados senadores
empresários ruralistas
todos bem articulados
com o grande capital
e a rede globo
para o golpe – o sequestro
da democracia

*

desaliança

líria porto

esperei por ti
não vieste
então te peço
não venhas
passou aqui
um soldado
vim ser mais um
na cadeia
:
feia
sem recato
que sorte

*

desenfreados

líria porto

quem segura a tempestade
o vento o furacão – quem põe rédeas
na catástrofe
:
o supremo tribunal?

*

guerrilha

líria porto

pensam que nos derrubam
caímos e levantamos
curamo-nos das feridas

temos mais que sete fôlegos
muito mais que mil motivos
e nascemos livres

(somos múltiplos)

*

terça-feira, 26 de abril de 2016

cambada

líria porto

pobre niemeyer
deu-nos pra beber
cuias de veneno

câmara e senado
como dois pedaços
de um ovo gorado

às vezes eu penso
o atual congresso
é invenção do demo

(fora bela viola
dentro pão bolorento)

*

à força

líria porto

a chave rodava no tambor
mas não abria a porta – tiveram
que arrombá-la

entrar de qualquer forma
é o mesmo que estuprar

*

segunda-feira, 25 de abril de 2016

recusa

líria porto

minha vassoura de bruxa
de tantos voos e sonhos
não vai varrer a sujeira
a lambança dos senhores
pra debaixo do tapete

(isso nunca)

*

haicai

líria porto

a lua desmaia
no céu azul da manhã
o sol do outro lado

*

empata-foda

líria porto

a luz do poste
embaça estrela
e meteoro

(na roça
teríamos
brilho)

*

niño

líria porto

dormia sozinha
punha os olhos na bainha
pra te ver em sonhos

e quando tu vinhas
ajeitava-me no ninho
do teu corpo em concha

*

domingo, 24 de abril de 2016

liríadas

líria porto

vez em quando chovo
atiro meteoros – assusto os cachorros
que me roubam o osso e me furam
os olhos

*

justificativas

líria porto

mentir não minto
mas falo meias verdades
e coisas que imagino

*

meia-tigela

líria porto

a lua cheia
pinga a noite inteira
gotinhas de leite
nas sete canecas

quando amanhece
ela bebe tudo
:
a branca de neve

*

sábado, 23 de abril de 2016

alar-me

líria porto

a boca do imundo
a vomitar o golpe
a sujeira imposta
cujo nome
é impeachment
sem crime

*

cada qual

líria porto

morreu meu pai como um lord
de pé

a morte mirou seu peito
um tiro só

espero a mesma sorte
meu coração –– sem alarde
rebente a corda

(mamãe lutou bravamente
ficou dez anos no leito
sua trincheira
e quase matou a morte
de impaciência)

*

sexta-feira, 22 de abril de 2016

empréstimo

líria porto

amei um e outro
e nenhum era meu

*

charco

líria porto

não sou modelo de nada
sou o avesso das virtudes
transbordo todas as margens
deságuo em quaisquer braços
nunca meço as consequências
jamais penso no futuro

*

quites

líria porto

um verso
cato-o na rua
bem à beira da sarjeta
trago-o comigo pra casa
agasalho-o alimento-o
ele voa vai à árvore
traz-me uma flor
agradeço-lhe
coloco a flor nos cabelos

*

madame cunha

líria porto

seus olhos
esbugalhados – um susto
o que terão visto?
(o que verão imagino
será mil vezes pior)
:
psicopatas são capazes
de arrancar-nos o cu
de deixar-nos carne viva
se nós não somos
seus cúmplices

*

terça-feira, 19 de abril de 2016

autorização

líria porto

sonhei com a poesia
(o espectro daquelas rosas
coroadas com espinhos)
ela me disse – volta
retoma o verso
expressa tua revolta
palavras são como pedras
ou pétalas
conforme a hora

*

incômodo

líria porto

dolorimento nas tripas
terei engolido o grito
que me causa
sofrimento?

*

segunda-feira, 18 de abril de 2016

túnica

líria porto

meu corpo veste vermelho
porém minha alma hasteia
a bandeira brasileira
usurpada por golpistas

*

excelência

líria porto

por mim que sou um apátrida
sem pai sem mãe sem família

por mim que sou um canalha
que aceita roubo propina

eu mato a democracia
eu juro sobre a bíblia

*

mácula

líria porto

não é um verso ruim
que embolo e jogo no lixo
é o dia da mentira

(abril fechou-se)

*

do egoismo

líria porto

há quem possa ser alegre
não se importe co'a desgraça

não lhes tirem os privilégios
não bulam com sua casta

se estes podem ser de seda
os outros sejam de trapo

*

os putos

líria porto

os dinheiros púbicos
amealhados na zona
por donas de vida fácil
mais limpos que os salários
que os senhores deputados
ganham por baixo
dos panos

*

domingo, 17 de abril de 2016

roedores

líria porto

no jaburu no congresso
um cheiro de peixe morto
carniça que os urubus
tentarão pôr na marmita
do povo trabalhador

*

sexta-feira, 15 de abril de 2016

elas

líria porto

mulheres como satélites
seguem a luz e a rota
dos homens que as escolhem
(não viveriam sem eles)

felizmente há estrelas
com brilho e independência

*

ofício

líria porto

passarinho come e caga
faz isso fora do ninho

passa o biquinho nas asas
sai a voar pelo mundo
:
é esse o seu trabalho
fazer brotar as sementes

(enquanto canta)

*

a prova

líria porto

santinha tinha piolho
uns diziam sangue doce
outros –– promiscuidade
ou questões de higiene
que nunca acreditei

quando santinha morreu
pude ver junto da urna
e em cima da sepultura
umas formigas miúdas
daquelas de açucareiro

*

quinta-feira, 14 de abril de 2016

rococó

líria porto

entre o couro e os músculos
na camada de gordura
acumulou frustrações
abandonos desenganos
e com o passar dos anos
apelidaram-no torresmo

(leitão era gente boa
dava pérolas à leitoa
tiveram treze porquinhos
foi servido à pururuca)

*

quarta-feira, 13 de abril de 2016

autoconhecimento

líria porto

encarou firme o espelho
caminhou de encontro a ele
cortou-se nos estilhaços
reconheceu-se vermelho
soube mais sobre si mesmo

*

rédea

líria porto

corre para dispara
coração desembestado
vai precisar marca-passo
pra compensar sobressalto
de alegria ou tristeza

*

terça-feira, 12 de abril de 2016

o tipo

líria porto

machão é blefe –– molesta menino
bate em mulher tem pinto mole
(e muita vez por disfarce
usa bigode)

*

mulher-maravilha

líria porto

mamãe fazia crochê
tecia ponto por ponto
forros colchas e bicos
qual uma aranha

isso nas horas vagas
pois tinha nove meninos
o almoço a janta o marido
e os deveres do leito

*

doninha

líria porto

perdeu a noção das horas
dos dias da semana

sem obrigação rotina
tudo parece o mesmo

acorda quando clareia
ao pôr do sol ela dorme

(tem fome come
tem sede bebe)

*

segunda-feira, 11 de abril de 2016

imitação

líria porto

qual meu pai – mãos para trás
(sustentação para os ombros)
passos lentos de ancião
lá vou eu sentir a brisa
aprumar um novo dia
procurar alento

*

domingo, 10 de abril de 2016

avante

líria porto

sete dias sete cores sete notas
a semana o arco-íris
a sinfonia
:
não ao golpe
liberdade ainda que à tardinha

*

sábado, 9 de abril de 2016

pessimista

líria porto

de costas para o sol
só via a porta fechada
a parede
e a própria ignorância
esta muralha

*

imortal

líria porto

têmpera de aço
fidel –– o eterno
comandante

o dedo do líder
aponta a direção
e caminhamos
:
à esquerda
vou ver-te

*

sexta-feira, 8 de abril de 2016

os sapos

líria porto

ao menos têm vida útil
os príncipes não fazem nada
e gastam dinheiro público

*

a flor

líria porto

mantê-la por perto
sem podar-lhe a alegria

regá-la protegê-la
capinar só as ervas
daninhas

*

em bloco

líria porto

um verso que sangre
que corte na carne
que doa o bastante
promova o calvário

um verso qual faca
espécie de lâmina
que force que faça
viver sem disfarce

um verso concreto
de pedra e cimento
com barras de ferro
fincadas por dentro

um verso sincero
sem bolha ou fissura
que fale a verdade
e enfrente a censura

*

quinta-feira, 7 de abril de 2016

terremoto

líria porto

irritante e eficaz
o tempo chocalha
os espasmos

*

quarta-feira, 6 de abril de 2016

sultana

líria porto

morava
numa casa ensolarada
a de agora ainda é clara
mas lhe faltam as gargalhadas
e o brilho das meninas
:
tinha um harém

*

afinação

líria porto

toda vez que vou lá fora
passarins seguem meus passos
cantam sua cantoria
em sol maior

(impeachment sem crime é golpe
vivas à democracia)

*

o freguês

líria porto

vinha no meio da noite
jamais acendia a luz

abre as pernas fecha os olhos
dizia-lhe um tanto bruto

agora vira de bruços
(usava-a frente e costas)

depois sumia no escuro
e nunca olhava seu rosto

(porém sabia sua voz
igual da missa das oito
lá na basílica)

*

domingo, 3 de abril de 2016

leva-me

líria porto

um cardume de salmão
um bando de cardeais
a lava incandescente
um rio vermelho
:
o povo

*

são tomé

líria porto

quisera ver cara a cara
encontrar algum espírito
que me levasse até lá
aos começos aos princípios
aos mistérios do absurdo
aos encantamentos

(só acredito vendo)

*

noturno

líria porto

afora o uivo do lobo
algum pio de coruja
um cão para dar alarme
os gatos no telhado
um galo caduco
os amantes que sussurram
o mar e o rio
tudo o mais se silencia
e o sol dorme

*

sábado, 2 de abril de 2016

competição

líria porto

para que te sintas forte
devo me enfraquecer – é esta
a tua proposta?

*

o bem-amado

líria porto

não era páreo pra ela
a titular

então ficava nas sombras
feliz co'as migalhas

(as duas usaram luto
as viúvas)

*

prensa

líria porto

chove canivete
punhal prego – o escambau
notícias de todo tipo
:
mantenho a (c)alma

*

haicai

líria porto

farra matinal
os passarinhos arrulham
na copa das árvores

*

sexta-feira, 1 de abril de 2016

lorota

líria porto

abriu abril e é mentira
logo no primeiro dia

*

foice de papel

líria porto

meu martelo é a palavra
com ela julgo o juiz

*

aparências

líria porto

a verdade é seca
de poucas palavras
não usa disfarce
e parece feia

a mentira
sempre maquiada
lentes coloridas
e olhar oblíquo
ninguém sabe ao certo
como ela seja

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog