terça-feira, 31 de maio de 2016

planejamento

líria porto

a casa a prole
o sustento
para o momento dois filhos
esta é a família possível
dentro de cada
orçamento

tudo na ponta do lápis
a vida o sonho
a alegria

*

segunda-feira, 30 de maio de 2016

bandoleiros

líria porto

papagaios
maritacas
(bicos duros)
quebram cocos
comem tudo
jogam cascas
pelas ruas
pelas praças
:
quem quiser
que limpe

*

deputar

líria porto

é de emputecer
que nessa disputa
a reputação
pese tão pouco

(qualquer puto ou puta
qualquer ficha suja
fica inimputável
e por isso esputo
cuspo
minha náusea)

*

sábado, 28 de maio de 2016

domingo

líria porto

maria levava um no colo
um outro ia no bucho
a prole toda miúda
enquanto o marido
na rua
bebia co'as raparigas
ou jogava futebol

*

fúria

líria porto

meu velho corpo
onde tudo sobra
abriga uma cobra
caninana

*

cortejo

líria porto

vovó seguiu viagem
para a terra dos pés juntos

sequer arrumou amá-la
ou preparou matula

vovó virou entrelinha

*

sexta-feira, 27 de maio de 2016

imaginário

líria porto

qual numa aparição
surges do pensamento
e eu te sinto tão real
como fosses carne
e osso

*

olfato

líria porto

farejo teu cheiro
como um cão fareja
a fêmea

(desejo afina
a saliva)

*

pa_la_dar

líria porto

chupar é verbo gozoso
lamber comer também são
a perdição pela boca
desde os tempos de eva
e adão

*

o pirulito

líria porto

três ninhos para um
passarim de galho em galho
a esposa a amante a amiga
:
o meu compadre definha
a olhos vistos

*

versinhos

líria porto

descolibri
um beija-flor sozinho
sem flor e sem ninho

*

quarta-feira, 25 de maio de 2016

posições

líria porto

estou entre aspas
vez por outra ponho-me dentro dos parênteses
porém - quando fico explícita - sai de baixo

*

terça-feira, 24 de maio de 2016

gravações

líria porto

pelas mãos do ministro
a revelação da tramoia
a ação dos golpistas

(exigimos a dilminha de volta)

*

segunda-feira, 23 de maio de 2016

alucinação

líria porto

tua ausência me rodeia
e do teu corpo de vento
sopras à minha nuca
palavras que não dirias

(será que fiquei maluca
ou são os meus pensamentos?)

*

o banho

líria porto

a bacia d'água
no quintal de casa
só pra ver a lua
nua como veio
ao mundo

*

puxa-saco

líria porto

pisca pisca
pirilampa
luz acende
luz apaga
faz de tudo
joga isca
dá presente
e rasteja
e bajula
e ri muito
:
não sabe viver
sem homem

*

domingo, 22 de maio de 2016

metamorfose

líria porto

sem que se perceba
as cidades mudam

onde o edifício
a demolição

no espelho as rugas
os cabelos brancos

eu que sou assim
sempre outra pessoa

a de ontem hoje
a de amanhã

*

fingimentos

líria porto

entre a morte
e a vida
encaro a primeira
que sua rasteira
é definitiva

(a vida
esta sorrateira
mostra-se bonita
porém bate
e mente)

*

fuga

líria porto

temia os desencontros
ia embora antes do fim
sem se entregar totalmente
sem deixar o próprio corpo
penetrar os labirintos
de alguém

sexta-feira, 20 de maio de 2016

zangão

líria porto

em meu velho coração
o menino fazia das suas – entupia-me as artérias
com uma cara tão séria que eu morria
de rir

*

histórias da vovozinha

líria porto

na ditadura dos ratos
a maldade prevalece
a negociata

os porcos e os insetos
tomam lugar nas pastas
no exército há gorilas
e os anjinhos são
morcegos

temer o quê?

*

quinta-feira, 19 de maio de 2016

o jogo

líria porto

mulheres com pele de loba
lobos com pele de homem
homens com pele de cordeiro
ovelhas com pele de mulher

*

linha de produção

líria porto

a gente branca planeja
a gente parda vigia
(capitães do mato)
a gente preta executa
e limpa toda a sujeira

e existe filho da puta
que chama isso igualdade
(em nome de deus)
mas nós sabemos quem lucra
quem é patrão
                        ou servo

*

quarta-feira, 18 de maio de 2016

arre égua

líria porto

um golpe a galope
no lombo o temer o cunha
o renan e a corja de terno
e toga

*

melancolia

líria porto

quem quer vinho venha
sente-se à mesa

vou servir do queijo
que trouxe de minas

pôr tocar um disco
do lucho gatica

relembrar um tempo
que já vai tão longe

que sumi de mim

*

segunda-feira, 16 de maio de 2016

o substituto

líria porto

mostra-se simpático age nos bastidores
e como quem não quer - crau
abocanha o que é do outro

(sempre um sorriso cretino)

*

disparada

líria porto

o tempo – esse quadrúpede
galopa salta relincha deixa poeira pra trás
e a gente vai na garupa

*

domingo, 15 de maio de 2016

suicida

líria porto

o que faço é no aberto
no espaço
não como um pássaro
(não tenho costas quentes)
eu me jogo – folha seca
e rodopio

(só o faz quem tem coragem
ou loucura)

*

sábado, 14 de maio de 2016

massa de manobra

líria porto

falo falo falo
confiro e observo
não há mulher no ministério
e os escrotos insistem
precisamos delas
na política

(belas recatadas do lar)

*

sexta-feira, 13 de maio de 2016

poema para silvana

líria porto

um ninho de guaxo
que abrigue pássaros
gente de toda espécie
de todas as raças
e mantenha em sua palha
a democracia – aquecida
e no aguardo
de dias melhores

*

o cacete

líria porto

quem era doce
acabou-se
agora é pau
e hematoma

teremos tempos
amargos
de azedume
e violência

nos olhos gás
de pimenta
e seu (d)efeito
imoral

*

quinta-feira, 12 de maio de 2016

rabugenta

líria porto

cansou-se das palavras
não suporta ruído
nem ao menos silêncio
então se isola
põe-se a resmungar
conversar entredentes
murmurar absurdos

*

quarta-feira, 11 de maio de 2016

anúncio

líria porto

os que desejamos
são homens de fato
não ratos

(desses queremos distância)

*

lesa-pátria

líria porto

um golpe à solapa
(com a mão do rato)
pancada na nuca
assalto ao poder

de toga de terno
homens e mulheres
violam as leis
ou batem panelas

a mídia a serviço
(de verde e amarelo)
produz inverdades
camufla bandidos

os trabalhadores?
quais pobres diabos
largados à margem
do inferno

*

terça-feira, 10 de maio de 2016

códigos

líria porto

uma vida intensa
quase paralela
à vida dos dias
acontece à noite
enquanto dormimos
sem nenhuma lógica
com espaço tempo
acontecimentos
:
até mortos vivem
dentro do sonho
(e do pesadelo)
e não há distância
e nem paradigma
para o inconsciente

*

interpretações

líria porto

quero entender – não consigo
o que acontece contigo
pois desconheço meu íntimo
mas pensas que sabes tudo
e por isso me julgas

*

segunda-feira, 9 de maio de 2016

sem crime de responsabilidade

líria porto

uma onda
daquelas devastadoras
que invadem além da praia
e causam tantos estragos
à vida do povo
:
um tsunami
é golpe

*


maria-fecha-a-porta

líria porto

titia é assim – vexada
alguém a toca reflui
às vezes até se excita
mas fica ali no seu canto
sem muito viço
e sem luz

*

domingo, 8 de maio de 2016

vidraças

líria porto

dependentes de óculos
meus olhos – sem suas lentes
padeceriam de sombras

(outro vício?
a palavra escrita)

*

ludi

líria porto

miúda raquítica
crescia tanto quanto
qualquer um pão ázimo

um dia voltei
que maravilha
a menina desbundara
tornara-se a mais notável
das lindas de toda
a família

*

sábado, 7 de maio de 2016

plágio

líria porto

tudo é sentinela
que se piscar desanda
sai do prumo

*

dos ditos populares

líria porto

as seis dezenas
não acerta uma
ilude-se
azar no jogo
sorte no amor

retorna à casa
o bilhete
:
adeus marido
fui-me embora
o compadre
ganhou
na loteria

(desgraça pouca
é besteira)

*

fim de linha

líria porto

não te vi na quinta
nem na sexta-feira
hoje não posso
amanhã viajas
segunda é do cão
reunião na terça
futebol na quarta
assim adiamos
a tal pá de cal

(o amor aos trapos)

*

no olho da outra

líria porto

levaste-me para tua casa
(como num sequestro)
trataste-me como à tua mulher
depois saíste para encontrá-la
deste qualquer desculpa

(odiei trocar de papel)

*

sexta-feira, 6 de maio de 2016

tédio

líria porto

nos dias que os dias pastam
e as noites ficam mais longas
devíamos viver dobrado
porém ficamos exaustos
das nossas horas
de porre

*

fantasmas

líria porto

quem morre morreu mesmo
ou vive em outros planos
em outros panos lençóis
a assombrar-nos à sombra
no meio meio da noite
com suas vozes
além?

*

aurora

líria porto

a manhã
fala por si
sol

*

justiceiros

líria porto

destrinçadas as verdades
algumas ficam ocultas
:
ganha quem paga
para forjar testemunhas
e nem todos os juízes
são impolutos

(vez por outra
cortam a cabeça de algum
para limparem a barra
justificarem
o futuro)

*

quinta-feira, 5 de maio de 2016

a zebra

líria porto

quase um código de barras
vestido prêt-à-porter

*

escuridão

líria porto

campeio o sono por todo canto
conto os carneiros os bois as vacas

os passarinhos os pirilampos
todas as letras do dicionário

os grãos de areia lá do saara
as folhas verdes da amazônia

e as estrelas da via láctea

(monstros
golpeiam
a minha
pátria)

*

quarta-feira, 4 de maio de 2016

a vida

líria porto

cada dia um pouco
igual conta-gotas

vez por outra
alguém quebra
o frasco

*

segunda-feira, 2 de maio de 2016

haicai

líria porto

tarde de domingo
maritacas no arvoredo
fazem algazarra

*

domingo, 1 de maio de 2016

capiroto

líria porto

tipo insanguíneo
no peito só cavidades
e nas veias nenhum líquido

em sua boca
fumaça e bafo
de enxofre

*

inverno

líria porto

mortes em asilos
ocorrem em série

expostos ao frio
os pulmões dos velhos

não aguentam vírus
e nem bactérias

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog