sexta-feira, 30 de setembro de 2016

trivial

líria porto

separo os feijões pro lado
os murchos os carunchados
os outros vão pra panela
cozinham sob pressão
:
fritar o alho a cebola
umas tirinhas de bacon
juntar os grãos bem cozidos
deixar engrossar o caldo

com arroz carne e couve
(alguma farofa?)
garanto-te – é pra lá
de bom

*

o cão

líria porto

o sol morde
o vento sopra
a brisa lambe

*

involução

líria porto

descendo do macaco
primata bicho fóssil
homúnculo na selva
de pedra

*

o bando

líria porto

no mês de setembro
nascia-lhes o sexto filho
exatamente no dia
que a leda fez oito anos

completei sete em outubro
lizete seis em dezembro
em junho a ana fez quatro
o ciro dois em novembro

depois do césar mais três
(a wânia a tânia o cícero)
mas meu pai ficou frustrado
queria onze meninos
:
um time completo

*

fracasso

líria porto

fui poeta – não sou mais
passarinhos roubaram-me o verso
fico a chocar palavras
nenhuma trova nenhum poema
só garatujas mal-ajambradas

*

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

ponte para o abismo

líria porto

juntar num mesmo balaio
analfabetos políticos
traidores e canalhas
um punhado de juízes
senadores deputados
procuradores polícia
novos ricos e egoístas
banqueiros e empresários
velhos casados com misses
delatores premiados
alguns fundamentalistas
pelegos de sindicatos
mais o apoio da mídia
e estará feito o desastre
o fim da democracia
o enterro da liberdade

*

terça-feira, 27 de setembro de 2016

crise

líria porto

sem profundidade sem superfície
quem puder me traga um copo d'água
com estricnina

cabocla

líria porto

tenho inveja não
nem de quem tem terra
nem de quem tem luxo
tenho inveja é de quem lê
de quem escreve sem erro

*

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

fartura

líria porto

benjamim da sorveteria
fornecedor de meu pai
ele chocava os ovos
mandava os pintos pra nós
meu pai os alimentava
até que virassem frangos

(nunca faltou-nos carne
nem bolos nem omeletes)

*

cismas

líria porto

marandovás em camadas
nos troncos das laranjeiras
eu tinha nojo e medo
porém pensava – veria
nascerem as borboletas

(para que servem as lagartas?)

*

delicadezas

líria porto

meu pai cimentou o quintal
em volta das laranjeiras
fez canteiros em relevo
e semeou esporinhas
:
as florinhas roxas
brancas cor-de-rosa
povoam-me ainda
os olhos

*

dias de são nunca

líria porto

conquanto nossas angústias
perpassem quaisquer milênios
sabemos que as petúnias
florescem desde setembro
e tingem com a cor fúcsia
canteiros dos quais me lembro

(nós fomos crianças juntos
subimos em paus-de-sebo
fizemos graças bagunças
vivemos sem arremedo)

domingo, 25 de setembro de 2016

o ovo

líria porto

o zero nada vale
o zero vale tanto
o zero não é o mesmo
conforme o lado
que esteja

*

rugas

líria porto

velho
é o ser encolhido
dentro da pele

*

a cura

líria porto

arrancar a crosta lancetar a mágoa
deixar vir à tona e drenar a dor
o ressentimento
:
quando necessário afundar um pouco
e raspar o osso

(cicatriz não dói)

*

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

raia

liria porto

no pódio os masoquistas
nas arquibancadas
os sádicos

*

temporada de caça

líria porto

as verdades que inventam
(suas convicções
e razões inexplicáveis)
valeriam mais que provas
condenariam inocentes
protegeriam canalhas?

*

transparência

líria porto

a blusa de renda
que a lua usava
foi lavada na chuva
e pendurada ao vento
:
no varal
do firmamento

*



quinta-feira, 22 de setembro de 2016

visão

líria porto

muita vez nos pomos
em seu ponto cego
o amor nos olha
mas não nos enxerga

*

segundo seu josé

líria porto

um amigo quando some
está a fazer besteira
ou fala de ti por trás
ou te prepara a rasteira

*

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

vaidade

líria porto

à sua imagem e semelhança
deu no que deus –– arrogância

*

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

levianos

líria porto

sejamos honestos
tu não prestas eu não presto
mas somos muito melhores
que aqueles que nos acusam
sem provas

*

minguante

líria porto

de novo
a lua parece um ovo
e aparece no céu
para espiar o inferno
do povo trabalhador
que se sente ameaçado
por um governo de merda
que lhe caça os direitos

*

domingo, 18 de setembro de 2016

benigno

líria porto

correu atrás do amor
um tempão a persegui-lo
deu-lhe flores e bombons
e o amor igual um grilo
pulava dum galho noutro
então desistiu do amor
e buscou nalgum amigo
tudo que sempre quis
:
camaradagem

*



sexta-feira, 16 de setembro de 2016

abro mão

líria porto

o finado teu marido
um finório conhecido
deitou-se na minha cama
rolou comigo achou bom
devolvi-o são e salvo
e ainda com saúde
:
a pensão é tua
já tive o meu quinhão

*

os critérios

líria porto

português e matemática
tirava notas ótimas
(tinha que saber)

história e geografia
tirava notas médias
(teria que estudar)

seria reprovada
por mau comportamento
ou pela cor da pele?

*

véspera

líria porto

um dia feio
na verdade um dia péssimo
de pensamentos confusos
e pancadas na testa

um dia estranho
de pedras e metais
levei mil tiros nas costas
com pregos e parafusos

um dia extenso
durou bem mais
que um século

*

quarta-feira, 14 de setembro de 2016

desmedida

líria porto

quem é aquela mundana
que vai pra a rua sem roupa
que sem pudor sem juízo
provoca o sol e os monges?

quem é aquela maluca
com pinta de mulher-dama
que se enrosca nos poetas
como se fora u'a musa?

*

fossa

líria porto

sentia-se um lixo
nem o laxante o ajudava
precisava escorrer o chorume
convocar urubus livrar-se da carniça
voltar a ser osso duro
:
cortou os pulsos

*

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

rebarba

líria porto

casamentos são monógamos
casamentos são monólogos
casamentos são monótonos
casamentos são monóculos
casamentos são o canto
de falos e falas
falidos

*

envolvimento

líria porto

há o que se fala em tese
há o que se fala com tesão
:
um é da boca pra fora 
o outro é da pele
pra dentro

*

domingo, 11 de setembro de 2016

sinceridade

líria porto

preciso um apagador
pra desmanchar o que fiz
não o quiseste
era giz

(a dor
esta não conta)

*

descabreado

líria porto

ir por aí
sem norte
tal como fosse
um nenhum
sem documento
sem renda
só à procura
de rima
de algo que
por sensível
não me ferisse
de morte

*

lorota

líria porto

não levem ao pé da letra
toda verdade que dizem
falam pelos cotovelos
a maior parte
                     é vertigem

*

homens

líria porto

beberam-me à jugular
a poesia que eu tinha
precisei ficar sozinha
pra poesia voltar

(amores são vampiros)

*

sábado, 10 de setembro de 2016

piração

líria porto

o girassol ficou louco
a causa todos sabemos
aquela ideia fixa
olhar o sol na pupila
até cozer o miolo

*

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

dissimulados

líria porto

em algum lugar de nós
os pensamentos
as lembranças
porém em nós há um pântano
onde se afundam
em segredo
medos pecados e culpas

(esquecemos
por defesa
nossos pedaços
mais sujos)

*

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

vaivém

líria porto

a vaia voa
viaja
vai à veia
do velhaco
e o vaidoso
o vendilhão
viciado
em vanglória
em vale-tudo
é varrido
pra valeta
onde vivem
as varejeiras

(vê-se
num vapt-vupt
em desvantagem
vertiginosa)

*

mapa

líria porto

da praça sete à casa
subia a avenida afonso pena
virava à esquerda na getúlio vargas
chegava à contorno com rua do ouro
e ali mesmo subia a pouso alto
até a salutares

porém se tinha pressa
pela altura da praça tiradentes
pegava o atalho da aimorés
em direção à serra

(abraçava-a ofegante e um tanto cansado
aquele amante)

*

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

tropa de choque

líria porto

pelo andar da carruagem
ameaças ao futuro
eles voltaram ao poder
o abuso da polícia
continua

*

fogo cruzado

líria porto

quis enquadrar-me
colocar-me na mira
escapei
:
não sou a mãe do seu filho
nem sua refém

*

terça-feira, 6 de setembro de 2016

cartilhas

líria porto

semear letras
ao brotarem as palavras
colhê-las em ramalhetes
e ofertá-los às crianças
:
livros são buquês

*

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

sangria

líria porto

dei de ficar no quarto
só saio com verso pronto
perco parte da manhã

esse verso miserável
que me rouba o melhor sol
não vale um tostão furado

(falta-lhe vitamina d)

*

serragem

líria porto

tem gente que é cara de pau
tem gente que é fogo de palha
tem gente que é duas caras
e mentiroso e covarde

*

domingo, 4 de setembro de 2016

fraudes

líria porto

personagens de nós mesmos
inventamos sobre nós o que queremos
e passamos fielmente a acreditar

*

flash

líria porto

morrer é poema épico
(solene como um soneto)
viver é haicai

*

sal na boca

líria porto

tudo fosse estranheza
chorássemos o gosto – o sacrifico
do porvir

*

acabada

líria porto

pesadelos trituram-me as noites
transformam-me o repouso em aflição
dói-me a carne doem-me os ossos
(os pentelhos)
já dei coices no espelho e até na sombra
:
eu fui ferida de morte

*

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

nódoa

líria porto

a cada etapa da vida
viramos a página – algumas naturalmente
outras muito constrangidos

(assaltaram minha pátria)

*

o substituto

líria porto

sempre a tramar o golpe
que em eleições livres sequer seria
o síndico do edifício

*

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

colírio

líria porto

meus olhos
ficam claros quando choro
tenho lágrimas corrosivas
capazes de apagar
as nódoas

*

misógino

líria porto

não sei se consigo
com quem mais viesse
cercar o maldito
fazê-lo sentir-se
frágil acuado
tal como as mulheres
que ele humilha
com gestos palavras
de forma covarde

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog