quinta-feira, 22 de junho de 2017

trégua

líria porto

a morte me olhou no olho
ela riu mostrei-lhe a língua
então ela foi embora
mas garantiu –– voltará

(passei ferrolho na porta
adiei sua visita)

*

terça-feira, 20 de junho de 2017

sem aposentadoria

líria porto

a perereca dá seus pulinhos
ser grisalha não lhe atrapalha
o ofício

*

segredo

líria porto

lembranças debaixo do colchão
valem mais que dinheiro
no banco

*

fêmea

líria porto

o ponto finaliza
mas a vírgula muda
o sentido

*

notório

líria porto

cachorro ladrão sem-vergonha
xingava a plenos pulmões
mas foi visto no outro dia
roubando osso

*

reencontro

líria porto

não sei quem vai embora primeiro –– pouco importa
quem se for espera o outro n'alguma quina
de estrela

*

domingo, 18 de junho de 2017

transporte

líria porto

nosso corpo
veículo temporário
igual burro de carga
leva nos balaios
erros e acertos
tristezas e alegrias

*

bazófia

líria porto

combinado coração
eu não vou morrer de câncer
mas de infarto fulminante

não duelo com a vida
quando a morte me quiser
apareça co'a borduna

(quem dera a gente pudesse
ser autor e diretor
da nossa peça medíocre)

*

sábado, 17 de junho de 2017

dom juanito

líria porto

o diabo do homem
bonito que nem um anjo
olhava a gente de lado
sorria meio de banda
sonhei com ele essa noite
só de lembrar
fico bamba

*

verniz

líria porto

a burguesia
cria a ilusão de que é rica
vai a miami trafica
vai a paris falsifica
abre contas na suíça
e vem arrotar
caviar

*

quinta-feira, 15 de junho de 2017

caso sério

líria porto

embora houvesse empecilhos
durou um tempo em segredo

(um era livre o outro não)

então saí de fininho
para evitar sofrimento

*

domingo, 11 de junho de 2017

preferências

líria porto

desde nova a roupa velha
velhice não me incomoda
pele é minha conhecida
com ela vivo na moda

*

despacho

líria porto

aquela caixa
onde guardo esquecimentos
de repente ficou leve
deve ter furado embaixo
deixado vazar as mágoas
fugir todos os fantasmas

(o diabo que a carregue)

*

sábado, 10 de junho de 2017

grilhões

líria porto

pensei-me porto seguro
porém fiquei vulnerável
virei refém de mim mesmo
deixei sombras me cercarem

nessa ilha de silêncio
um berro preso à garganta
qual um espinho de peixe
:
eu tenho algemas
na alma

*

quinta-feira, 8 de junho de 2017

miséria

líria porto

morar na rua –– por aí
debaixo duma marquise
não é escolha de gente
sequer é escolha
de bicho

os passarinhos no ninho
os ursos dentro da gruta
um teto para os meninos
que o inverno já vem
o frio

*

terça-feira, 6 de junho de 2017

haicai

líria porto

céu esplendoroso
um azul de brigadeiro
no frigir dos olhos

*

domingo, 4 de junho de 2017

animalescos

líria porto

desde que me sei gente sinto que somos bichos
nós não temos requisitos pra reinar
sobre outros seres

*

cinematográficos

líria porto

repletos de códigos de símbolos
os sonhos não são óbvios
falam de nós em detalhes tão íntimos
tão sórdidos
que preferimos esquecê-los
:
somos médicos e monstros

*

convívio

líria porto

joio é joio trigo é trigo
não separo os dois

*

negligência

líria porto

pois era um amor bonito
e nele então deu bolor
não houve sol
e nem fogo
mudou de jeito de cheiro
o sabor virou desgosto
deixei-o lá
e fugi

*

quinta-feira, 1 de junho de 2017

com quem andas

líria porto

os de primeira hora
testados na adversidade
os que podem colaborar
têm formação específica
e são confiáveis
e os oportunistas
que mudam de lado
conforme a brisa
:
há que se separar
o joio do trigo

*

dedicatória

nus descampados (im)puros
fiamos o plenilúnio

(líria porto)



*















quem tem pena de passarinho
é passarinho

(líria porto)

Arquivo do blog